Viveiro de Mudas - Arvores Nativas e Arvores Frutiferas

Vendemos Jabuticabeiras em Vasos
Nossa Jabuticabeiras são produzidas em nosso
Viveiro de Mudas Floresta em Tupã - São Paulo
Endereço:
Estrada Parnaso São Martinho-Tupã-Sp

Viveiro de Mudas - Arvores Nativas e Arvores Frutiferas

Nossa Jabuticabeiras são produzidas em nosso
Viveiro de Mudas Floresta em Tupã - São Paulo

Enviamos Jabuticabeiras para qualquer local do Brasil

Fone : 014 3441 3501

florestamudas@gmail.com

domingo, 12 de maio de 2013

Jabuticabeira Materia ateliergourmand

Nome Científico:
Myrciaria cauliflora (DC.) O. Berg, Plinia trunciflora (O. Berg) Kausel, Eugenia cauliflora DC.

Nomes Populares:
Jabuticaba-paulista, jabuticaba-ponhema, jabuticaba-açu, jaboticaba

Características
Substantivo
feminino

Elenco
Frutas

Reino
Plantae

Família
Myrtaceae


Gênero
Plinia


Valores nutricionais
Valores nutricionais por 100 g da fruta


Calorias 53
Água 87 g
Proteína 0,3 g
Carboidrato 13 g
Cálcio 8 mg
Ferro 0,9 mg
Potássio 130 mg
Vitamina A –

Vitamina B1 0,04 mg
Vitamina B2 0,09 mg
Vitamina C 18 mg
Niacina B3 1 mg
Gordura 0,1 g
Fósforo 35 mg

Fonte: Instituto Plantarum
Ocorrência espacial
Ocorrência espacial e características gerais

De origem desconhecida, a jabuticaba é uma fruta nativa do Brasil e amplamente cultivada desde a colonização, principalmente na região Sudeste. Ocorre em Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Paraná.
A jabuticabeira é árvore semidecídua (que perde parte da folhagem) com altura entre 3 e 6 m. Seu tronco apresenta casca lisa e manchada, com flores aglomeradas em seu entorno durante a primavera e o verão que resultam em frutos fartamente distribuídos.
As folhas, desprovida de pelos ou penugem, medem de 3 a 7 cm, com nervura impressa na face superior e saliente na inferior. Os frutos são globosos e lustrosos, com polpa branca e suculenta, geralmente doce, protegendo de 1 a 4 sementes. Seu período de safra é de agosto a dezembro.
As variedades mais comuns são:
• Sabará – a mais apreciada, mais doce e mais cultivada. Tem crescimento mediano apesar de muito produtiva e frutos miúdos e saborosos, de maturação precoce;
• Paulista – de frutos maiores que a Sabará, altamente produtiva e com maturação retardada;
• Rajada – de pele verde-bronzeada e árvores de porte mediano, tem boa produtividade, dá frutos grandes, doces e saborosos;
• Branca – de porte médio e grande produção, dá frutos de coloração verde-clara, bastante saborosos;
• Ponhema – árvore de porte e frutos grandes, mais saborosos quando consumidos bem maduros, é mais indicada para a produção de doces, geleias e licores.
De seus usos e derivados
De acordo com a variedade, a jabuticaba é mais consumida in natura ou na feitura de geleias, sucos, doces e molhos para pratos salgados. Dela também se produz xarope e licor; sua casca pode ser utilizada como corante para vinagres e vinhos, além de servir ao preparo de compotas.

Ao comprar jabuticabas, deve-se dar preferência às graúdas, sem rachaduras ou picadas de insetos. Antes de consumi-las aconselha-se lavá-las bem em água corrente. Não devem ser lavadas se não forem ser consumidas imediatamente, pois é fruta muito sensível e azeda facilmente.
Em geladeira, conserva-se bem por 2 a 3 dias.
História, cultura e mitos
A cidade de Sabará (MG) abriga anualmente o Festival da Jabuticaba, entre o final de outubro e o início de novembro. Nele, é possível encontrar diversos produtos preparados com a fruta, como vinhos, licores, geleias, doces, sorvetes etc. Porém, a grande atração do festival é o aluguel de jabuticabeiras: o visitante aluga por um período de tempo uma jabuticabeira do quintal de um morador e pode comer à vontade.
Há relatos de curiosidades culinárias como a de acrescentar caldo de jabuticaba à massa de milho verde para confeccionar pamonhas, rechear frango assado com farofa doce de jabuticaba ou assar o peixe em creme de jabuticaba.
Segundo Câmara Cascudo,

Descreveram-na Fernão Cardim, Piso e Marcgrave. Espantava-os as frutas cobrirem os troncos, subindo pelos galhos, numa exuberância inesgotável. Encanto para capitães-mores e cronistas. Assombro dos trópicos. Para o caipira de São Paulo, quando se diz fuita é uma referência à jabuticaba. “É considerada uma das melhores frutas do país”, escrevia Von Martius. Fruta de época, então abundante e fácil, é popularíssima.
Curiosidades
• Adicionar gotas de limão ao suco de jabuticaba torna-o avermelhado; bater a polpa e a casca com abacaxi torna o suco azulado.

• Pode-se fazer também da jabuticaba uma jeropiga, isto é, uma espécie de vinho que não fermenta ou cuja fermentação natural é interrompida pelo acréscimo de álcool.

• Para aumentar a durabilidade da jabuticaba e recuperar sua textura firme, pode-se colocá-la de molho em água com gelo por 2 a 4 horas, o suficiente para reidratá-la. Se ficar de molho por mais tempo, ela irá estourar e deverá ser descartada. Esse processo pode ser feito de 1 a 2 vezes por dia, normalmente antes de servi-la.

• Dentre os principais benefícios da jabuticaba ao organismo humano estão a capacidade de combater os radicais livres graças à alta concentração de antocianina; já a pectina da casca auxilia na motilidade intestinal e ajuda a diminuir os níveis de colesterol.

• Segundo informações da Embrapa, o chá de casca de jabuticaba é usado no tratamento de anginas, disenteria e erisipela; a infusão da entrecasca da fruta destina-se ao tratamento de asma.
Referências Bibliográficas
CASCUDO, L. C. História da alimentação no Brasil. São Paulo: Global, 2004. 3ªed.
HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2007.
LORENZI, Harri et al. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas: de consumo in natura. São Paulo: Instituto Plantarum, 2006.

Sites:
Embrapa Rondônia, disponível em: http://www.cpafro.embrapa.br/embrapa/Artigos/uso_medic.htm
Jabuticabeira.com.br, disponível em: http://www.jabuticabeira.com.br

Fonte:
http://www.ateliergourmand.com.br/br/ingredientes.aspx?ukey=39

Nenhum comentário:

Postar um comentário